Linha Matéria-prima

ESPECIALIDADES BRASILEIRAS
ESPECIALIDADES BRASILEIRAS
ÓLEOS BIOATIVOS
ÓLEOS BIOATIVOS
ÓLEOS TRADICIONAIS
ÓLEOS TRADICIONAIS

Newsletter

Informativos

Óleo de Baru

Visualize a ficha técnica em PDF
Proveniente de uma amêndoa nativa do cerrado brasileiro é um óleo altamente nutritivo por possuir cerca de 80% de insaturações. É rico em ácido oléico (ômega 9) e ácido linoléico (ômega 6). Apresenta propriedade anti-envelhecimento e possui boa espalhabilidade.

 

FICHA TÉCNICA

 

INCI: Dipteryx alata (Baru) nut oil
PARTE DA PLANTA UTILIZADA: amêndoas selecionadas de baru
MÉTODO DE EXTRAÇÃO: prensagem a frio (expeller pressing)
ENVASE E EMBALAGEM: sparging com gás nitrogênio em PEAD (5L) ou frasco de vidro âmbar (1L)

PROPRIEDADES: o baru é uma árvore do cerrado brasileiro, e seus frutos contém uma amêndoa com sabor que lembra o amendoim. Dessa semente extrai-se um óleo fino com aproximadamente 80% de insaturações (50.5% ác. oléico-ω9 e 29% ác. linoléico-ω6) 1. Na medicina popular esse óleo é empregado como anti-reumático e apresenta propriedades sudoríferas, tônicas e reguladoras da menstruação . O óleo apresenta boa espalhabilidade, baixa pegajosidade e ação intrínseca anti-envelhecimento.


USO COSMÉTICO: apesar de muito usado regionalmente, o óleo de Baru ainda é pouco explorado em indústrias cosméticas. Pode ser aplicado puro ou misturado a outros ingredientes.

COMPOSIÇÃO EM ÁCIDOS GRAXOS (%)

Ácidos graxos

%

(C16:0) Palmítico

7,4-7,9

(C18:0) Esteárico

3,1-5,7

(C18:1) Oléico – ômega 9

50,2-51

(C18:2) Linoléico – ômega 6

28,9-30,7

(C20:0) Araquídico

0,8-1,1

(C22:0) Behênico

2,1-2,7

(C24:0) Lignorécico

<2,4


DADOS FÍSICO-QUÍMICOS

Parâmetro

Referência

aparência

média viscosidade

cor

claro

odor

semelhante ao amendoin

índice de acidez (mgKOH/g)

máx. 4*

peróxido (meq/kg)

máx. 15*

umidade

0%

*Valores de referência para óleos prensados a frio e não refinados conforme RDC 270 de 22 de setembro de 2005 (ANVISA).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1.Takemoto, E. et al. Composição química da semente e do óleo de baru (Dipteryx alata Vog.) nativo do
Município de Pirenópolis, Estado de Goiás. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 60(2):113-117, 2001.
2.Sano SM, Ribeiro JF, Brito MA. 2004. Baru: biologia e uso. EMBRAPA Cerrados, DF. Disponível em:
www.cpac.embrapa.br/download/336/t

RSS E-mail Print Comentar